Quantas pessoas já viram o blog?

domingo, 28 de agosto de 2011

Characters Inner.

Pein


Carreguem na imagem para ver melhor



Proximo post: Hinata

Isto é para mostrar que nem só a Sakura é que tem dois tipos de personalidade...=P

sábado, 27 de agosto de 2011

Selo

Minna...este selo foi-me passado pelo blog http://coisas-kawaii.blogspot.com/


Create your own banner at mybannermaker.com!

Regras:

☆ Dizer o que pensa do Plágio

☆ Dizer 7 personagens mais originais que já viu

☆ Agradecer a quem lhe passou o selo

☆ Passar o selo a pelo menos 5 blogs
--> O que eu penso do plágio? Simples (e não devia dizer isto em publico), quem o faz são pessoas ordinárias (má palavra) e que não têm mais nada que fazer. não têm ideias próprias e copiam as das outras...
--> 7 personagens?!
1- Tobi (naruto)
2- Tayuya (naruto)
3- Soul Eater Evans (soul eater)
4- Kanna (inuyasha)
5- Gray (fairy tail)
6- Fuko Ibuki (clannad)
7- Hidan (naruto)
--> Agradeço muito à Tay-chan do blog http://coisas-kawaii.blogspot.com/ e para compensar deem-lhe uma visitinha ;) Bjs e obrigada!!
--> 5 blogs a quem passar..

Imagens Sasuke Classico/Shippuden


Sasuke é o nosso rapaz mais cobiçado entra as raparigas quer na série como na vida real =P




Avant- Sasuke é um rapz calado e jura vingança do seu irmão. Por esse motive ele quer se tornar mais forte. Ele tem uma capacidade que provem da sua familia. O Sharingan.


Aprés- Ele junta-se a Orochimaru e evolui bastante as suas capacidades. Ele consegue também usar o Chidori em todo o seu corpo e também se consegue transformar em uma especie de montro como um Biju.
Chidori

 
Sasuke transformado
   













Próximo post: Sakura

Fanfinction- "Tudo Muda" Capitulo 11- Noite de Natal

No dia seguinte acordei muito cedo para o meu gosto. Ainda não eram oito da manhã. O meu telemóvel tocava feito maluco. Estiquei o braço até a mesa-de-cabeceira sem tirar a cabeça da almofada. Carreguei no botão de atender sem mesmo ver quem era.
-Sim?
(Hinata)- Onde estás?
-Onde pensas que estou? Na cama.
(Hinata)- Na cama? Disseste que ias falar com a Tenten por causa do teu treino e ainda não mexeste uma palha. És mesmo preguiçosa.
-Esqueci-me está bem? Acontece a todos.
(Hinata)- Contigo tem mais frequência.
-Já reparas-te que ainda não são oito horas? O que fazes acordada tão cedo?
(Hinata)- Só para ti é que é cedo. Desce já dai e vamos ter com a Tenten. Eu falei com ela e disse-lhe que ias lá hoje.
Levantei a cabeça da almofada e espreitei pelos buracos do estore. Estava a nevar.
-Está a nevar. Está frio.
(Hinata)- Mexe-te! Vem ter comigo dentro de meia hora a minha casa.
-Ok ok! Estou a ir. Não te esqueças que estou engessada ainda! Não consigo mexer o pulso direito. Vai ser difícil.
(Hinata)- Não arranjes desculpas.
-Estou a ir.
Desliguei o telemóvel enquanto ela dizia alguma coisa. Sentei-me na cama e espreguicei-me. Fui até à casa de banho e lavei a cara e dei ordem ao cabelo. Vesti-me e pus o cachecol e o gorro. Sai do quarto e dirigi-me à recepção onde estava a Aoi.
-Bom dia.
(Aoi)- Tão cedo? Não é costume.
- É. A Hinata pediu-me para ir ter com ela. Não precisas que fique com o Usui pois não?
(Aoi)- Por acaso precisava.
-Então ele que venha.
Ela foi lá a trás chama-lo e “entregou-mo”.
-Vamos.
Corri até à casa da Hinata . o Usui estava de rastos.
-Estamos aqui.
(Hinata)- Shizuka! Fizeste de propósito! Trouxeste-o?
-E depois?
(Hinata)- Temos pena! Não é assim que te livras de ir ter com a Tenten.
-Não era essa a minha intenção.
Fomos os três até a casa da Tenten. Quem nos abriu a porta foi a mãe dela. Ela disse-nos que a Tenten estava na parte de trás da casa. A treinar. A treinar aquela hora? É preciso coragem!
Fomos até ao pátio. Ela estava a treinar em frente a um boneco com um alvo na barriga.
-Olá?
(Tenten)- Chegaram cedo.
-Viste Hinata! Chegamos cedo…
(Hinata)- Ela é a Shizuka. A tua aprendiz.
“Aprendiz? Claro!”
(Tenten)- Diz-me qual a tua especialidade?
-Sinceramente? Não sei.
Ela arregalou os olhos como se dissesse “Temos um longo caminho!”
(Tenten)- Toma.
Ela deu-me em mãos uma espécie de espada enorme quase do meu tamanho.
-Para que é isto?
(Tenten)- A Hinata disse-me que tinhas um óptimos controlo do Chakra. Vai ser mais fácil para ti usar isto.
-Asério? Parece tão…mortal!
(Tenten)- Tenta espalhar o chakra pela superfície da espada tornando-a mais fina e afiada. Podes dar as formas que quiseres ao chakra. Depois utilizas aquele boneco como alvo. Dás-lhe um corte. Quando o conseguires perfurar é porque conseguiste.
-Está bem.
Ficamos várias horas a treinar.
Dia 24
Acordei, mas desta vez com o despertador marcado para as 10. Tomei banho, vesti-me e sai. Fui ter com a Sakura e a Hinata. Elas estavam a minha espera. Ao lado da Sakura estava o Sasuke (Achei estranho…) e a Hinata estava com o Kiba. Faltava apenas o meu “par”.
(Sakura)- Então vamos?
-Espera. Falta o Shikamaru.
(Sasuke)- Não te incomodes. Ele vem ali.
Ele vinha a correr.
(Shikamaru)- Desculpem o atraso.
(Kiba)-Não faz mal.
(Hinata)- Já estamos todos.
Fomos os seis até ao cinema. Onde tínhamos combinado ir. Depois íamos almoçar juntos. Íamos passar o dia juntos. À noite íamos ao festival de Natal que ia haver.
No cimena…nunca apanhei uma seca tão grande. O filme foi escolhido pela Sakura e pela Hinata. O que os gostos combinados eram péssimos! Ainda bem que tinha o Shikamaru para me fazer companhia.
(Shikamaru)- Asério acham isto interessante?
(Sakura)- Então não! Um romance no dia de Natal não há melhor.
-Meu deus. Tirem-me daqui.
(Sasuke)- Por acaso. Este filme não presta!
(Kiba)- Podia ser pior!
-Cala-te!
(Hinata)- São capazes de se calar? Quero ouvir!
Confortei-me na cadeira. Ao meu lado estava a Sakura e o Shikamaru. Ele estava tão aborrecido assim como metade da gente que lá estava.
À noite eu tinha combinado com o Shikamaru. Ele ia fazer o que tinha a fazer e depois ia-me buscar para irmos juntos para o festival. Vesti outra roupa. Uma saia com meias calças e umas botas até as canelas. Vesti uma camisola de mangas compridas e um casaco impermeável por cima. Esperei até o Shikamaru me ligasse para descer. Minutos depois o telemóvel toca. Desci as escadas e ele estava à minha espera. Fomos até ao festival e ficamos à espera do resto do pessoal. Vinham todos acompanhados. Excepto o Naruto que vinha sozinho.
-Vamos comer qualquer coisa.
Peguei na mão do Shikamaru e corri até à barraca onde vendiam cachorros. Depois de comer fomos a outras barracas. Comprei um casaco novo e uma camisola. Íamos a passear pelo parque quando um rapaz vem a correr contra mim. Cai no chão.
(Shikamaru)- Estás bem?
-Sim…mas acho que ela não.
Debaixo de mim estava uma rapariga com cabelos vermelhos que na neve branca parecia uma mancha enorme de sangue. Ajudei-a a levantar-se.
-Estás bem?
Ela apenas acenou com a cabeça e virou costas.
-Que rapariga estranha!
(Shikamaru)- Não reparaste?
-Em quê?
(Shikamaru)- Na fita dela? Ela era uma ninja da Vila do Som.
-Sério?
(Shikamaru)-Sim…
Horas depois voltamos para a minha casa. Já passava da meia-noite. Dei-lhe o saquinho que continha as peças de Shougi. Ele pareceu ficar um bocadinho mais alegre.
(Shikamaru)- Toma.
Era um colar que no fim tinha um S.
-Obrigada gostei muito.
Ele dormiu em minha casa. A meio da noite acordei com o barulho que vinha lá de fora. Espreitei na janela e na rua estava a mesma rapariga de cabelos vermelhos a olhar para o meu quarto. Parecia obcecada.
-Shikamaru acorda!
(Shikamru)- O que foi?
-Olha ali! É ela!
Sentou-se na cama e passou por cima de mim para ir ver na janela.
(Shikamaru)- Shizuka! Não está ali ninguém. Deves ter sonhado.
-Eu não sonhei…se tivesse sonhado não estava acordada. Volta a dormir se não acreditas.
Ele aconchegou-se nos lençóis e adormeceu novamente. “Eu tenho a certeza que era ela.”   

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Blog Anime-city!

Create your own banner at mybannermaker.com!

Informações sobre Fanfiction

A fanfiction é composta por duas personagens principais. A Shizuka e o Shikamaru que fazem um  “casal”. Mais tarde vai há ver outra personagem (inventada por mim como a Shizuka) que se chama Tomoyo. Ela é uma rapariga estranha mas com uma grande paixão pelo Naruto. Na série original não há tecnologias avançadas (telemóveis, computadores portáteis, etc…) mas na fanfiction há.
Ao longo da fanfiction vão haver vários casais como a Hinata e o Kiba.
A Shizuka foi inspirada na Tayuya da série Naruto e a Tomoyo foi inspirada noutra série chamada Clannad. Ela vai aparecer no próximo capitulo da Fanfiction.
Fuko Ibuki- Clannad

 Espero que gostem…

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

domingo, 21 de agosto de 2011

Characters Inner.

Encontrei umas imagens muito engraçadas. Vou começar pelo Neji.

Inner Neji:

Carreguem na imagem para ver melhor!


Próximo Inner: Pein

Desafio ao blog

YEHH!! Consegui um tempinho para conseguir responder ao desafio!! Aqui vai!



1º- Colocar o selo.


2º- Os meus animes preferidos:

-Naruto
-Soul Eater
-Fairy Tail
-Angel Beats
-D.N Angel
- Suzumiya Haruhi No Yuuutsu
- Inuyasha

3º- 5 coisas sobre mim. (o que é o mais dificil!)
1- Adoro animes e mangá
2- Adoro desenhar
3- Gosto muito de passear (Ficar em casa? Não! Só se for para postar no blog!)
4- Dizem que tenho gostos estranhos. (O que eu acho ainda mais estranho né?)
5- Gosto imenso de rir e que me façam rir!  

4º- Dizer 6 blogs.

http://oliverandbenji4ever.blogspot.com/

http://animecity-pt.blogspot.com/

http://harumiyumisashi.blogspot.com/

http://oliver-and-benji.blogspot.com/

http://soul-eater-fanfic.blogspot.com/

http://worldofsouleater.blogspot.com/

YEI! Consegui! Akira foste desafiada outra vez...

sábado, 20 de agosto de 2011

Imagens Naruto Classico/Shippuden

Naruto: Começamos pela nossa personagem principal cujo nome é também o nome do Anime.



Avant--> apresentamos o nosso Naruto Clássico com 13 anos. Loiro de olhos azuis. Muito comilão e distraido. O seu truque favorito? Sexy no Jutsu. O que o faz transformar numa menina... 



Après--> é tambem o Naruto mas mais maduro ccom 16 anos. Embora a aparencia o faça mais adulto a sua mentalidade continua igual o que dá um ar engraçado ao Anime!


Vão começar a ser postadas estas informações sobre as personagens.

No próximo post: Sasuke!

Fanfinction- "Tudo Muda" Capitulo 10- Saída do Hospital

Voltamos de novo para o hospital. Pelo corredor do hospital encontramos a médica que me deu um sermão por ter saído sem ter dito nada e ter arrancado o soro (coisa que eu nem tinha reparado). Ela mandou-me para o quarto. Sentei-me na cama encostada a uma almofada. O Shikamaru puxou uma cadeira que havia no fundo do quarto.
-Como sabias que eu tinha ido ao cemitério?
(Shikamaru)- Eu vinha ter contigo ao hospital e apanhei a Hinata pelo caminho que me contou que tinha fugido.
- Mas eu só sai quando ela se foi embora.
(Shikamaru)- Ela voltou novamente ao quarto porque se tinha esquecido de te dizer uma coisa e quando voltou já não estavas lá. Ela pensou imediatamente que tinhas para o cemitério e ela era para ir lá ter mas eu disse que ia.
-Pois estou a ver…
Puxei os lençóis até ao queixo.
(Shikamaru)- Já falei com os meus pais.
-Sobre?
(Shikamaru)- Passar o Natal contigo.
-Comigo? Tu disseste que íamos passar os dois sozinhos?
(Shikamaru)- Não! Eu apenas disse se podia passar o Natal fora com os outros.
-Outros?
(Shikamaru)- Tu sabes. Eu, tu, o Kiba, a Hinata, a Sakura, a Ino, o Sai, o Naruto, o Sasuke, etc…
-E eles?
(Shikamaru)- Eles deixaram.
-Que bom!
Segundos depois de termos acabado de conversar ouvimos a voz da Sakura a gritar “Idiota” em alto e bom som. Momentos depois a porta do meu quarto é aberta bruscamente. Em frente a ela o Naruto e a Sakura apareceram.
-Olá!
(Sakura)- Shizuka já estás melhor?
-Sim! Pelo menos estou viva. Idiota?
(Sakura)- Este Naruto é o maior idiota que conheci até hoje! O Sasuke também vinha connosco para te vir ver mas o Naruto fez o favor de mandar uma piada e ele foi embora.
(Naruto)- Eu apenas lhe perguntei se ele conhecia minimamente a Shizuka para a vir ver.
-Tu também não tens grande motivo para falar. Nunca me falaste na vida.
Ele ficou amuado e cruzou os braços.
(Sakura)- Bom mudando de assunto. Vim aqui dizer-te que a Hokage espera-te quando saíres do hospital.
-O que é que ela quer?
(Sakura)- Não sei. Talvez falar-te dos jutsus medicinais. Eu, a Hinata e a Ino andamos a aprender.
-Duvido. As minhas capacidades são muito abaixo da média para isso.
Dois dias depois a médica deixou-me sair do hospital. Tinha de passar lá daqui a um mês para tirar o gesso da mão. Depois de sair apresentei-me na sala da Hokage. Bati à porta. Do outro lado a voz de uma mulher mandou-me entrar. Rodei a maçaneta e entrei. Do outro lado uma mulher loira estava sentada em frente a uma secretária que estava preenchida de papéis. A mesma mulher estava com vários papéis nas mãos.
-Disseram-me que a senhora queria falar comigo.
(Hokage)- Senta-te.
-Sentei-me na cadeira que havia em frente da secretária. Ela pousou os papéis e cruzou os dedos apoiando os cotovelos na secretária.
(Hokage)- O que te quero falar é sobre o que aconteceu no Exame Chuunin. Na última etapa.
-Como assim? Tem alguma coisa a ver comigo?
(Hokage)- Na tua última luta tu criaste um jutsu e pelo que me disseram demoraste apenas algumas semanas a desenvolve-lo.
-Sim. Quer dizer. Eu tive que descansar imenso para o desenvolver. Aquilo consumia bastante chakra.
(Hokage)- No entanto, eu queria saber quem te o ensinou.
-Ninguém. Aprendi-o por mim mesma.
(Hokage)- Não me mintas. Alguém te o deve ter ensinado.
-Ninguém.
Ela deu um soco na secretária e olhou-me ferozmente.
(Hokage)- Alguém te ensinou! Na tua idade e no teu nível é quase impossível de o aprender!
-Quase! Não impossível. E ninguém mo ensinou. Apenas vi o meu pai a faze-lo algumas vezes. Aprendi por mim. com bastante esforço! Mas porquê estas perguntas todas?
(Hokage)- Estás proibida de o usar.
Eu levantei-me da cadeira e apoiei as palmas das mãos na secretária.
-O quê? Porquê?
(Hokage)- O  rapaz com quem lutaste foi para o hospital. Tinha uma hemorragia no estômago. Causada pelo teu jutsu.
-Asério? Uou! Que bacano! Quem diria que funcionava!
(Hokage)- Deixa-te de gracinhas. Este jutsu pode matar a pessoa que o usa. Porque é que achas que tiveste uma paragem cardíaca? Porque é que achas que o teu pai morreu? Foi por causa disso. Esse justu é demasiado forte para ti. Dedica-te a outros jutsus. Tens um óptimo controlo do chakra. Usa isso como beneficio. Outra coisa. Vais começar a treinar os jutsus medicinais como as tuas colegas. Agora sai!
Sai daquela sala revoltada. Na rua encontrei a Hinata e o Kiba.
(Kiba)- Shizuka! Já saíste do hospital!
-Pelos vistos! Anda vais pagar-me um bom Bife!
(Kiba)- Deves estar a gozar!
-Anda. Hoje estou mais passada do que o costume. Não me chateis muito.
(Kiba)- Está bem.
No restaurante tudo me parecia delicioso. Estava com um apetite. À uma semana que andava à base de soro.
(Hinata)- O que se passou?
-Estou proibida de usar o jutsu que demorei tanto tempo a aperfeiçoar. Achas normal?
(Hinata)- Então porquê?
-Longa história. Tenho de arranjar outra maneira de lutar.
(Kiba)- Como assim?
-Então por exemplo a Hinata usa o Byakugan como base nos seus ataques tal como o primo dela. O Sasuke usa o Sharingan como base também. Mas as pessoas que não têm poderes especias…como…a Tenten…
Deixei a frase em aberto. O Kiba e a Hinata olharam um para o outro. Espetei o garfo no bife e gritei.
-Já sei!
Todos naquele restaurante olharam para mim.
-A Tenten! Ela pode ajudar-me. Eu tenho um óptimo controlo do chakra. Eu posso usar isso nas armas. Não é?
(Hinata)- Sim acho que sim.
-É isso. Amanhã vou ter com ela. Kiba este bife está óptimo.
Depois de comer fui para casa. Entrei no quarto e saltei para a cama.
-Que saudades que tinha disto!
Minutos depois batem-me à porta. Era a Aoi e o Usui.
(Aoi)- Shizuka podes ficar com o Usui hoje? Eu tenho de fazer as compras do Natal. Eu sei que saíste hoje do Hos…
-Aoi! Podes ir à vontade. Não te preocupes eu fico com ele.
(Aoi)- Obrigada!
Ela saiu do quarto deixando-me com o Usui.
-Então vens comigo fazer as compras para o Natal?
(Usui)- Sim. Eu também gostava de comprar alguma coisa para a minha mãe. Ajudas-me.
-Sim claro.
Saímos do quarto e fomos à loja mais próxima.
-Ficas aqui a ver o que queres que eu tenho de comprar algumas coisas. Está bem?
Ele acenou com a cabeça. Fui procurar na loja peças de Shogi. “Ok se me lembro bem as únicas peças que ele tinha eram o Rei e…e…esquece não me lembro!” Levei todas e pedi para por num saco pequeno e por um laço. Comprei um colar para a Hinata e outras coisas para o Kiba e etc…O Usui andava às voltas na loja. Fui ter com ele.
-Então o que queres comprar?
(Usui)- Não sei. Se fosse para ti o que querias?
-Talvez flores? Não gostavas que a tua mãe recebesse flores?
(Usui)- Sim…mas eu gostava de lhe dar uma coisa que ficasse sempre com ela.
-Então compra um daqueles colares que dão para por fotografias. Pões uma e outra da tua mãe ou do teu pai. O que achas?
(Usui)- Acho uma boa ideia.
Compramos um desses colares. Voltamos para o meu quarto e ele ajudou-me a montar uma pequena árvore de Natal.
“Faltam apenas 2 dias para a véspera de Natal. Talvez o Shikamaru queira ir ao festival que vai haver. Tenho de falar com ele.”

Desafio ao blog

Pois é parece que o Blog foi desafiado pela Akira (Dona do blog Naruto Infinitys). O desafio consiste em :

-->Colocar o selo
--> Dizer os teus animes preferidos
--> 5 coisas sobre ti
-->Indicar 6 blogs

Ok eu nao tenho tido tempo para nada. Eu prometo que quando tiver muito mais tempo realizo o desafio! posso apenas dar a lista dos meus animes favoritos.

-Naruto
-Soul Eater
-Fairy Tail
-Angel Beats
-D.N Angel
- Suzumiya Haruhi No Yuuutsu

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Informação

Pois é devido a alguns problemas com o meu PC só posso publicar às Sextas e com alguma sorte nos Domingos ou nos Sábados. Por isso a Fanfiction vai ficar muito atrasada e outras mensagens também. Peço imensas desculpas. Espero que compreendam.

Beijos


Fanfinction- "Tudo Muda" Capitulo 9- Exame Chuunin- Terceira Fase.

Uma semana para treinar para depois combatermos na etapa final do Exame. E nós nem tínhamos a mínima ideia contra quem íamos lutar…apenas tínhamos de estar preparados. Já era Inverno e daqui a uns dias ia começar a nevar. Eu passei a semana toda a treinar com o Shikamaru e o Kiba. Tinha conseguido aumentar o tamanho da esfera e agora já parecia ameaçadora. Já não parecia uma simples esfera inofensiva. Ao fim da tarde fomos embora para casa.
(Kiba)- Shizuka…essa esfera é mesmo um buraco negro?
-Buraco negro? Daqueles que suga tudo?
(Kiba)- Sim.
-Por é que pensas que é isso?
(Kiba)- Tu não me digas…tu mentiste? Tu disseste que era uma espécie de buraco negro!
-E tu acreditas-te feito tolo! Asério…tu acreditas em tudo o que te dizem?
(Kiba)- Pareces-te mesmo convincente! Então ele faz o quê?
-Queres mesmo saber?
(Kiba)- Claro!
-Então a verdade é simples…ele faz…faz…
(Shikamaru)- Tu não sabes!
-Claro que sei! Que sentido tinha eu não saber o que faz?!
(Shikamaru)- Tu não sabes…não é!
-É…eu não sei.
(Kiba)- Só podes estar a gozar! Estás a desenvolver uma técnica que nem sabes para que serve!
-O meu pai era para me dizer…mas não teve tempo. Ninguém sabia como fazer a técnica. Era só dele e ele ensinou-me mas nunca me chegou a explicar o que fazia!
(Kiba)- Esperta! Desenvolves uma técnica e nem sabe para que serve. Que inútil.
-Não digas isso! E tu? És pior que eu!
Mais à frente o Kiba separou-se de nós. Eu e o Shikamaru fomos para a pensão.
(Shikamaru)- Hoje não passo cá a noite.
-Então?
(Shikamaru)- Não posso. Já dei desculpas suficientes aos meus pais. Hoje tenho de dormir em casa.
-E amanhã? Passas por cá?
(Shikamaru)- Posso passar. Venho cá ter de manhã.
-Sim.
Sentamo-nos na cama. Ficamos em silêncio. Eu não sabia o que dizer ou fazer. Ele finalmente interrompeu o silêncio que existia.
(Shikamaru)- O Inverno já começou…e sabes no Inverno existe o Natal.
-Que coisa mais obvia para me disseres. Pergunta o que tens para perguntar de uma ve…
(Shikamaru)- Com quem vais passar o Natal este ano?
-Sozinha…não é obvio? Com quem queres que passe? O meu pai morreu e a cobarde da minha mãe fugiu e nunca mais me disse nada.
(Shikamaru)- Se quiseres eu posso passa-lo contigo.
-Nem penses! Deves passa-lo com a tua família.
(Shikamaru)- Eles compreendem.
-Mas…Eu não me ia sentir bem.
(Shikamaru)- Vá la…eu queria passá-lo este ano contigo. Já passei 16 Natais com ele. 1 não faz diferença.
-Está bem. Até vou gostar da companhia.
Ele levantou-se na cama e encostou os seus lábios aos meus.
(Shikamaru)- Tenho de ir. Amanhã de manhã passo por aqui.
-Sim.
Ele saiu do quarto deixando-me sozinha. Eu odiava ficar sozinha. Fechada daquele cubículo. Mudei de roupa e deitei-me na cama. Ainda era cedo para dormir mas eu estava exausta. Amanhã era o dia da 3ª fase do Exame.
Apesar dos meus esforços não tinha conseguido dormir nada. Estava com uma dor de cabeça enorme. O sol que espreitava por detrás de imensas nuvens, batia-me na cara fazendo-me levantar da cama.  “Não dormi nada e hoje vai ser o pior dia da minha vida! Vou MORRER!” arrastei-me até ao roupeiro tirando roupa dos cabides e atirando-as para cima da cama. Dirigi-me à casa de banho e pus a água a correr enquanto me livrava da roupa que tinha vestida.
Enquanto ensaboava o cabelo com champô, senti um pequeno insecto a passar-me pelos dedos dos pés. Soltei um grito de nojo. Segundos depois o Shikamaru aparece na casa de banho arredando as cortinas da banheira.
(Shikamaru)- Estás bem?
Olhei para ele e dei outro grito virando para ele o chuveiro que deitava água, deixando-o ensopado. “O que é que ele está aqui a fazer!” Enrolei-me numa toalha e sai da banheira. Ele estava sentado no chão da casa de banho a pingar.
-O que fazes aqui?!
(Shikamaru)- Eu disse que vinha ter contigo de manhã. Fartei-me de bater à porta mas tu não abriste, pensei que tivesses a dormir ainda. Ouvi-te a gritar então decidi entrar sem pedir e depois o resto já sabes.
 -Pois. Mas para a próxima avisa.
(Shikamaru)- Claro. Antes de entrar…”Posso arredar as cortinas para ver se te estão a fazer mal ou a matar-te?”
-Não sejas parvo.
(Shikamaru)- Desculpa lá por te ter tentado ajudar.
-Fica ali no quarto enquanto me visto.
Fui à cama buscar as roupas e fechei-me na casa de banho para me vestir. Depois de estar pronta tivemos de passar a casa dele para ele trocar de roupa. Eu fiquei sentada na cama enquanto ele se vestia. Reparei num pequeno tabuleiro de shogi ao fundo da cama. Enquanto ele mudava de roupa eu fui espreitar o jogo. Apenas algumas peças estavam em cima do tabuleiro. Faltavam muitas delas.
- Isto é teu?
(Shikamaru)- Sim. Já o tenho a algum tempo. Mas faltam muitas peças. Não dá para jogar.
-mmm…pois.
Saímos de casa dele. O Kiba estava a nossa espera em frente à porta de casa do Shikamaru.
-Kiba!
(Kiba)- Eu já sei o que se passa entre vocês. Vocês andam os dois…não é?
Eu e o Shikamaru olhamos um para o outro e depois desviamos o olhar.
(Kiba)- Isso explica porque é que estão sempre juntos. Vocês namoram!
-Cala-te esta bem! Sim e depois? Sê um homenzinho e enfrenta a realidade. Tu e a Hinata gostam um do outro mas tu não és capaz de lho dizer nem de admitir! Diz-lhe de uma vez.
Ele revirou os olhos e começou a andar em direcção à praça da vila. Lá estavam reunidos todas as pessoas da Vila. Incluindo o Hokage e mais alguns das outras vilas. Nós os concorrentes estávamos numa sala à parte. Na arena (assim falando) Encontrava-se um rapaz que ia visionar a nossa luta. Os nossos adversários iam ser escolhidos por um processo através de computador. Os nomes eram sorteados. Eu não sabia com quem ia lutar até ao momento de ser chamada. Eu estava um pilha de nervos. Antes de mim várias pessoas foram lutar.
(Visionador)- Shizuka Himura…
Quando ouvi o meu nome pareceu que o meu coração subiu-me à garganta. Desci até à arena. O rapaz com quem ia lutar já se encontrava lá.
(Visionador)- Eu é que decido quem vence e quando devem parar a luta. Por isso obedeçam-me. Podem começar.
Mal o Rapaz ouviu estas palavras correu para mim e atirou 5 kunais. Apanhei uma no ar e utilizei-a para desviar as outras. Enquanto de desviava delas ele veio por detrás de mim e deu-me um pontapé fazendo-me cair para a frente. “Ele é rápido.”
Levantei-me e virei-me para ele. Ele deu-me um soco na barriga, dando-me a possibilidade de lhe agarrar o braço. Com uma mão agarrei-lhe o braço com que ele me tinha socado e com a mão que tinha livre formei a esfera esfregando-a na sua barriga. Ele começou a deitar sangue pela boca. Mas apenas lhe causou isso. Não lhe fez mais nada. Para fazer aquele jutsu eu gastava muito chakra e não conseguia usa-lo duas vezes seguidas. Mas naquela ocasião eu precisava de usa-lo duas vezes.
A minha cabeça começou a andar à roda. Ele soltou-se de mim e deu-me um pontapé enviando-me para longe fazendo-me bater na parede. Levantei-me apoiando-me na parede. Ele aproximou-se de mim a agarrou-me pelo pescoço encostando-me com força à parede.
(Rapaz)- Que raio de jutsu é aquele que usas-te? É demasiado perigoso. Talvez se eu te partir os pulsos não o uses.
Ele agarrou-me no pulso direito e quebrou-mo apenas com a força de mão. Eu comecei a gritar de dores. Ele agarrava-me com a mão direita o pescoço e com a esquerda o pulso partido. Eu tinha ainda a outra mão livre. Com ela, refiz a esfera negra e tentei encosta-la à sua barriga mas apenas passou de raspão, pois ele reparou o que eu estava a fazer e desviou-se. Eu fiquei sem forças. Ele afastou-me da parede e encostou-me novamente com força, fazendo-me sangrar da parte de trás da cabeça. Ele repetiu o mesmo gesto várias vezes. Ele apertava-me o pescoço cada vez com mais força. A imagem começou a ficar desfocada e os sons das pessoas a gritar e da voz do rapaz começavam a ficar distantes. Senti o meu estômago às voltas. Ouvi ao longe a voz do visionador a dizer para ele parar. Depois disso não ouvi ou vi mais nada apenas senti o meu corpo a cair ao chão bruscamente e o sangue a correr-me pela cabeça e pela boca. Finalmente perdi a consciência.



O frio alastrou-se pelo meu corpo. Abri os olhos lentamente e deparei-me com o tecto branco. A minha mão direita estava envolvida em gesso. Sentei-me na cama segurando a cabeça. Olhei pela janela. As árvores ao fundo balançavam lentamente ao sabor do vento enquanto a neve branca e gélida caia lentamente no chão formando um manto branco que cobria completamente o solo. Pelo aspecto parecia que já tinha começado a nevar à alguns dias. Ouvi a porta do quarto a abrir-se. Uma enfermeira entrou pelo quarto a dentro. Quando me viu sentada na cama levou as mãos à boca e arregalou muito os olhos. Saiu do quarto a correr. Alguns minutos depois uma médica entra no quarto a perguntar se eu me estava a sentir bem.
-Sim. Até estou demasiado bem. Não me dói nada. Por é que está a nevar? Não devia começar daqui a alguns dias?
(Médica)- Tu estás inconsciente à uma semana. Tiveste uma paragem cardíaca na arena e não recuperas-te a consciência.
-Sério? Não me lembro de nada.
(Médica)- É melhor ficares de cama mais alguns dias. Depois podes sair.
-Veio alguém ver-me.
(Médica)- Veio uma rapariga de cabelo curto, várias vezes, trazia-te sempre uma flor.
-Só?
(Médica)- Também vinha um rapaz com um cãozito mas ele só vinha de vez em quando. Mas um rapaz vinha cá todos os dias. Chamava-se Shikamaru…acho eu. Ele no fim da visita prometia-te sempre que vinha cá no dia seguinte. Também veio a Sakura. O Sasuke e o loiro vieram cá só uma vez.
-Pois. Estou a ver. O Shikamaru já veio cá hoje?
(Médica)- Não. Ele vinha mais para a tarde.
Esperei até que se fizesse tarde. A Hinata foi a primeira a vir ter comigo. Contou-me várias coisas que tinham acontecido. O Hokage tinha morrido depois dos combates devido a uma invasão qualquer, e foi substituído por uma mulher. O Kiba finalmente tinha dito à Hinata que gostava dela e agora eles têm estado juntos. Aconteceram várias coisas nesta semana. Coisas que eu não pude assistir.
-E quem é que se tornou Chuunin?
(Hinata)- Apenas uma pessoa.
-Quem?
(Hinata)- O Shikamaru. Mas o Hokage depois da tua batalha chamou o Asuma-sensei para perguntar quem te tinha ensinado aquele jut…
-Hinata! Que dia é hoje?
(Hinata)- 20.
-20? Tens de me ajudar! Tenho de ir ao cemitério.
(Hinata)- Cemitério? Porquê?
-Anteontem fez 2 anos que o meu pai morreu. Tenho de lá ir. Eu vou lá todos os anos.
(Hinata)- Mas tu não podes sair.
-Mas…tens razão. Deixa estar.
Quando ela se foi embora, levantei-me da cama e espreitei pela janela. Não era alto. Saltei da janela e cai com os pés descalços na neve gelada. Deu-me um arrepio, que me subiu as costas acima. Tentei ignorar o frio e corri até ao cemitério. Quando cheguei começou a nevar. A campa do meu pai estava coberta de neve. Passei com a palma da mão por cima da campa limpando o nome dele. “Não trouxe flores hoje. Desculpa.” Ajoelhei-me em frente à campa. A neve cobria o meu cabelo. Minutos depois senti alguma coisa a fazer-me peso nas costas. Uns braços cobriram os meus ombros e um pequeno gorro caiu-me na cabeça. A respiração quente e suave da pessoa que se encontrava atrás de mim batia-me na orelha causando-me arrepios.
(Shikamaru)- O que fazes aqui? Deixaram-te sair do hospital?
Abanei apenas a cabeça. Virei-me de frente para ele e abracei-o. Ele perdeu o equilíbrio e caiu para trás levando-me consigo. Ficamos algum tempo abraçados e deitados na neve. Não queria que aquele calor que ele me transmitia acabasse. Eu amava-o demasiado para o perder e agora é que percebia isso.    

terça-feira, 9 de agosto de 2011

sábado, 6 de agosto de 2011

Fanfinction- "Tudo Muda" Mega Capitulo 8- Exame Chuunin- Segunda Fase.

No dia seguinte acordei. Levantei a cabeça para ver as horas. O despertador marcava 10.42. Senti a cama mais vazia do que quando eu tinha adormecido no dia anterior. O Shikamaru já não lá estava. Rebolei em cima da cama até à outra ponta da cama. Espreitei para o chão. Ele estava estendido ainda a dormir, como quem tinha caído durante a noite. “Ups parece que o empurrei da cama.” Levantei-me passando por cima dele sem lhe tocar. Fui à casa de banho e mergulhei a cara em água. Limpei-me na toalha que estava pendurada ao lado do lavatório. Senti alguém detrás de mim. As suas mãos percorreram as minhas costas, causando-me arrepios. Virei-me para trás e ele estava bem à minha frente, perto demais.
-Dormiste b-bem?
(Shikamaru)- Dentro dos possíveis.
-Sabes eu já te queria dizer isto à algum tempo.
(Shikamaru)- O quê?
-Eu acho que…que… “bolas não consigo dizer.” Sabes que mais? Esquece.
Ele não percebeu nada. Eu afastei-o mas ele prendeu-me em frente ao lavatório com as mãos apoiadas nele, uma de cada lado. Eu estava entre os seus braços.
(Shikamaru)- Acaba o que estavas a dizer.
- Não é nada. Era parvoíce minha. Esquece.
(Shikamaru)- Enquanto não me disseres eu não te deixo sair daqui.
- Queres mesmo saber?
(Shikamaru)- Quero!
-Então pronto eu acho que depois deste tempo todo, não sei se é a minha imaginação ou algo na minha cabeça mas está a dar comigo em doida. E para te dizer custa-me porque é a primeira vez que o digo a alguém. E eu sei que não vais perceber nada depois do que estou para aqui a dizer já que eu nem me lembro do que já disse anteriormente. Mas eu acho, no fundo que começo sinceramente a gostar realmente de alguém e esse alguém és…t-tu. E no fim tu dizes Pois mas não é bem assim e eu digo que não vou desistir e depois…
Ele chegou-se para a frente e deu-me um leve beijo acho que para me calar. Ele afastou-se mas eu impedi-o agarrando a gola da camisola para o puxar para mim. Os meus lábios tocaram nos dele. Ficamos assim alguns segundos. Ele afastou-se de mim ao mesmo tempo que eu dele.
-Desculpa…por te ter empurrado da cama ontem à noite.
(Shikamaru)- Pois. Sabes, eu também gosto muito de ti e quero que nunca me deixes. Está bem?
Eu acenei com a cabeça. Depois de nos vestir-mos e de fazer a cama saímos para ir comer alguma coisa. No café onde eu costumava tomar o pequeno almoço encontramo-nos com a Sakura.
(Sakura)- Shizuka? O que fazem por aqui?
-Viemos tomar o pequeno-almoço.
(Sakura)- Juntos?
-É uma longa história…
(Sakura)- Não me digam que tu e ele…andam?
-O quê? Não…Sim…Talvez.
(Sakura)- Quando começas a misturar as falas é porque estás a mentir.
-Será que toda gente sabe quando escondo alguma coisa?
(Sakura)- Então é verdade? Vocês? Tu! Tu disseste que nunca ias ter ninguém.
-Não podes dizer nada!
(Sakura) – Claro que não!
“Que ideia! Amanhã sai no jornal como notícia de última hora!” Ela continuou caminho. O Shikamaru estava petrificado. Ele ainda não sabia como lidar com a notícia.
Às 3 horas como combinado fomos ter à floresta de Konoha. Aquela floresta era proibida e estava cercada com uma grande cerca e com alguns portões. A coordenadora deu-nos as instruções. Cada equipa ia receber um pergaminho ou da Terra ou do Céu. Tínhamos 3 dias para encontrar o outro pergaminho, ou seja, se a gente tivesse um do Céu tínhamos de conseguir também o da Terra. O que significava que tínhamos de rouba-lo e arriscar as nossas vidas para os conseguir a outras equipas. Daqui a 3 dias tínhamos de ir ter à torre que existia no centro da floresta. A prova começava às 4. Durante essa hora tínhamos tempo de ir buscar o pergaminho à tenda onde se encontravam com os guardas e tínhamos tempo para prepararmos um plano. “Boa…3 dias naquela floresta horrorosa. Com insectos e cobras venenosas. Ainda por cima com o aspecto do céu parece que vai chover durante a prova.”
4 Horas:
1º dia-
O Inicio da prova. Cada equipa entrou num portão diferente. O pergaminho que nos calhou foi o da Terra. Tínhamos de conseguir o do Céu. A nossa equipa não era muito fraca mas a comparar com a das outras Vilas era difícil, mas eu queria mesmo tornar-me Chuunin.
(Kiba)- O melhor é conseguirmos o pergaminho logo no inicio da prova. Assim se nos roubarem temos mais tempo para achar outros.
- Pois mas com a sorte que nós temos só encontramos pergaminhos da Terra.
(Shikamaru)- Devíamos era fazer várias cópias do nosso pergaminho, e escondíamos o verdadeiro num sitio seguro.
-Seguro? Nesta floresta?
(Kiba) -Ninguém disse que o íamos esconder na floresta mas sim em nós. Podemos transforma-lo noutra coisa qualquer.
(Shikamaru)- Numa coleira. E pomos no Akamaru. Ninguém vai ligar ao teu cão.
(Kiba)- Tens razão. Embora podiam dar-lhe mais atenção.
-Já viste o tamanho dele? É normal que ninguém lhe ligue!
(Shikamaru)- Bom, nestes 3 dias não pode haver discussões entro vocês. Portem-se com juízo! Isto não vai ser fácil. Principalmente com as equipas das outras vilas.
-Tens razão.
Continuamos a caminhar depois de fazer-mos as cópias e colocar-mos uma cópia em cada mala. Todos nós tínhamos uma cópia. E o Akamaru continha a verdadeira. Agora só precisávamos de arranjar o par para o nosso pergaminho.
Caminhamos o dia inteiro sem problemas. Mas à noite era mais problemática. Era à noite que as equipas atacavam, usando camuflagem.
-É melhor pararmos.
(Kiba)- Porquê?
(Shikamaru)- Ela tem razão. Vamos descansar e fazer turnos.
-Eu faço o primeiro.
(Kiba)- Se ouvires alguma coisa acorda-nos.
-Sim. Eu fico atenta.
A noite ia avançando aos poucos e poucos. Parecia que nunca mais acabava. O único ponto luminoso era a fogueira que estava à minha frente e que estava a dar um sono estrondoso. Levantei-me e fui lavar a cara ao rio que estava ali perto. Enquanto lavava a cara ouvi passos. Virei-me para trás.
- Ah…Kiba és tu! Não me assustes dessa maneira. Vens fazer o teu turno?
Ele continuava a caminhar na minha direcção. Sem me responder.
-K-kiba? Estás bem? Não me respondes porquê?
Tentei recuar mas o rio estava a trás de mim. Olhei para a água e depois para ele. O Kiba estava mesmo à minha frente. Ele estendeu a mão e agarrou-me no pescoço.
-Kiba? O que estás a fazer?
Ele mergulhou a minha cabeça na água. A água entrava-me pela boca fazendo-me deitar o ar que tinha nos pulmões para fora. Eu estava a ficar sem ar. “Fogo…só acontece comigo! Shikamaru repara que algo não está bem. Ajuda-me!”. O Kiba ainda me agarrava pelo pescoço. Tirou a minha cabeça para fora e mergulhou-a outra vez na água, mas desta vez foi impedido de me afogar. O Shikamaru empurrou-o para a água e arrastou-me até cá fora.
(Shikamaru)- Estás bem?
-Sim. O que se passa com ele?
(Shikamaru)- Acho que alguém entrou na mente dele com um jutsu.
-E como o desfazemos?
(Shikamaru)- Eu sei que os danos que causarmos ao corpo do Kiba a pessoa que o controla também os sofre.
-Então se eu o afogar ele a pessoa que o controla também se afoga.
(Shikamaru)- Tecnicamente…sim.
-Ainda bem.
Fui ter com o Kiba e agarrei-o pelos cabelos. Eu dei-lhe vários socos na cara.
(Shikamaru)- Shizuka! Pára. Estás a magoa-lo.
-Então mas temos de fazer com que parem de fazer isto.
(Shikamaru)- Não o deixes fugir. Eles não podem estar longe. Esta técnica só pode ser realizada directamente. Além disso o corpo de quem fez o jutsu é agora apenas um corpo vazio.
-Fazia-nos falta agora o Byakugan da Hinata.
O Shikamaru atirou uma Kunai para o meio das árvores. Da árvore caiu uma pessoa. O seu corpo estava como se tivesse morto.
-É ela?
(Shikamaru)- Sim.
Eu dirigi-me até ao corpo e arrastei-o até à água. “Experimenta lá um bocadinho do teu veneno!” Mergulhei a cabeça da rapariga na água. Mas ela deu-me uma cotovelada.
-Então já voltas-te ao teu corpinho?
(Rapariga)- Gostas-te do banho. Eu sei que vocês possuem o pergaminho da Terra.
-Então isso significa que vocês têm o do Céu.
(Rapariga)- Mas não está comigo. Está muito bem escondido.
-Shikamaru! Faz a tua magia.
A sombra do Shikamaru estendeu-se até à dela. Ela tentou fugir mas eu prendia comandando-a como as marionetes, liguei fios de Chakra ao corpo dela. A sombra do Shikamaru prendeu-a.
(Rapariga) - Não me consigo mexer!
-Estás a ver o meu amigo ali? Ele agora comanda o teu corpo. Se ele dançar tu danças, se ele saltar tu saltas, etc… Onde está o pergaminho?
(Rapariga)- Pensas que vou falar?
“Ela mete-me uma raiva!”
Eu fechei a minha mão em punho e dei-lhe um soco na cara.
-Diz!
(Rapariga)- Esbofeteei-a me à vontade. Mas não te esqueças que a minha equipa é formada por 3 pessoas e tu só apanhas-te uma. Que por acaso é a mais fraca. Como tu.
“Pois é! Tinha-me esquecido! Eles não devem estar longe. Eles são obrigados a ficar juntos.”
(Shikamaru)- Shizuka. O Meu jutsu não dura para sempre. Despacha-te a amarra-la.
-P-pois!
Ele dirigiu a rapariga até à árvore. Eu tirei uma corda da mala do Kiba que ainda estava desmaiado ou a dormir (não se sabia ao certo!) e amarrei-a em volta da árvore.
2º Dia-
O Kiba já tinha acordado. O resto da equipa da rapariga ainda não tinha aparecido.
-Esta é a melhor oportunidade para conseguirmos o pergaminho e eles não aparecem?
(Kiba)- Ela não será só uma imitação da verdadeira?
-Não. Ela já tinha desaparecido depois deste tempo todo. Além disso…esquece. Não sei.
(Shikamaru)- Mas também não podemos ficar aqui o dia inteiro. Temos de continuar.
-Eu sei! Levamo-la connosco?
(Kiba)- Não sei. Talvez o Akamaru consiga encontrar o rasto de onde ela veio.
-Boa ideia! Não te podias ter lembrado mais cedo?
Eu agarrei na rapariga e arrastei-a. Seguimos o Akamaru até ao local onde estavam dantes de nos atacarem. O resto da equipa estava ainda a dormir. As malas estavam no chão.
-Ok. Kiba pede ao Akamaru para ver as malas.
O Akamaru foi procurar cuidadosamente nas malas.
-Diz-nos onde está o pergaminho. Apontei-lhe uma Kunai ao pescoço mas ela não dizia uma única palavra.
(Shikamaru)- Assim não vamos longe. Temos de nos despachar.
O Shikamaru prendeu os corpos dos dois rapazes que estavam estendidos no chão a dormir, com o jutsu das sombras. Eu e o Kiba vasculhamos tudo e finalmente encontramos.
-Está aqui!
O Pergaminho estava dentro da mala da Rapariga.
(Kiba)- Tens a certeza que é verdadeiro?
-N-não. Mas não o podemos abrir! Foi uma das regras.
(Shikamaru)- Não temos escolha temos de levar esse. Agora vamos. Deixamos ai a rapariga.
-Onde é que ela está? Ela estava aqui!
A Rapariga tinha desaparecido.
(Kiba)- Afinal era mesmo uma imitação!
-Bolas! Ao menos temos os pergaminhos!
O pergaminho que eu tinha na mão já não era mais um pergaminho, mas sim um monte de lama!
(Kiba)- Que nervos! Enganaram-nos! Era tudo treta!
-E agora? Precisamos de um pergaminho do Céu.
(Shikamaru)- Temos de procurar. Já perdemos um dia.
(Kiba)- Odeio estas provas estúpidas.
-Que RAIVA!
(Shikamaru)- Só existe uma maneira.
-Qual?
(Shikamaru)- Temos de os roubar aos nossos conhecidos.
-Tipo à equipa da Hinata ou da Sakura?
(Shikamaru)- Sim. A gente já os conhece, vai ser mais fácil.
-Nem penses! A equipa da Sakura é demasiado forte, tem o Sasuke! E a da Hinata tem o Shino e o Byakugan da Hinata! Nós somos a equipa mais fraca que existe! Não vamos conseguir contra eles. Esta era a nossa oportunidade mas não conseguimos.
O seu começou a escurecer e de repente uma chuva forte caiu na floresta.
(Kiba)-Não podemos desistir. Temos de conseguir.
(Shikamaru)- Sim. Nós vamos conseguir! Vais ver Shizuka!
-Espero que sim. Mas como?
(Shikamaru)- Existe a mesma quantidade de pergaminhos da Terra como no Céu. Ou seja 50% das equipas vais ser excluída. Já que ficaram sem os pergaminhos enquanto os outro conseguem. Temos 30% de ipoteses.
-Só 30%?
(Shikamaru)- Sim. Mais ou menos. Já que 20% das equipas pode ter conseguido os pergaminhos e 30% os tem.
-Ok 30% acho que é suficiente. Quer dizer também podemos contar com os 20% já que contêm os dois pergaminhos, por isso fica a 50% na mesma!
(Kiba)- Sim, falando assim! (ele não percebeu grande coisa!)
-Ok vamos lá acabar com esta prova.
3º Dia-
No dia anterior não conseguimos. Mas esta manhã fomos atacados por uma equipa que andava à procura do pergaminho da Terra. O Shikamaru conseguiu prende-los com a sua sombra enquanto eu e o Kiba procurávamos o pergaminho.
(Kiba)- Encontrei!
-É verdadeiro?- olhei para um dos rapazes daquela equipa.
(Rapaz)- Achas que te vou dizer?
-Acho. Shikamaru?
O Shikamaru dirigiu a sua sombra até ao pescoço do rapaz começando a sufoca-lo.
-Então? Verdadeiro?
(Rapaz)- S-sim! É o verdadeiro!
-Como podemos ter a certeza?
(Rapaz)- Não podem. Mas é! Acreditem.
(Kiba)- Shizuka temos de ter a certeza.
-Shikamaru aguentas um bocado?
(Shikamaru)- O que vão fazer?
-Sinceramente? Não sei. Temos de o abrir.
(Shikamaru)- Não podem. Temos de acreditar! Esse tem de ser o verdadeiro.
-Está bem.
O Shikamaru soltou-os e nós corremos até à Torre.
-Temos de nos despachar! Não temos muito tempo.
Quando chegamos só faltava  a nossa equipa.
(Sakura)- Atrasada como sempre. Não é Shizuka?
-Pois.
Entregamos os pergaminhos. E a nossa equipa conseguiu passar. “Ainda bem! Agora só falta a ultima prova”
A coordenadora deu-nos os parabéns e disse que daqui a uma semana para estarmos prontos para as lutas finais. Os nossos adversários iam ser decididos por um método de computador. Resumindo não íamos saber com quem íamos lutar até à data. O Shikamaru acompanhou-me até minha “casa”.
(Shikamaru)- Espero que consigamos passar a ultima parte.
-Eu também. Mas desta vez não vou ter a vossa ajuda.
(Shikamaru)- Pois. Mas tu consegues. Mas não quero que te esforces demasiado nos treinos.
-Sim. Eu sei.
Quando chegamos eu dei-lhe aproximei-me dele e beijei-o como forma de despedida. Ele retribuiu o beijo e continuou a caminhar.
“Daqui a uma semana é que vou saber se sou capaz de me tornar Chuunin ou não.”